Páginas

quinta-feira, 19 de outubro de 2017

FIM DE OUTUBRO CULTURAL EM CAMPANHA-MG

No próximo sábado, teremos na UEMG campus Campanha, uma reunião que muito promete.
 Se Deus quiser e com a participação decisiva dos campanhense e dos que adotaram a nossa cidade, teremos dias de mais cultura e esperanças de dias melhores. Mas lembre-se, por menor que seja a sua participação, ela é vital para Campanha.
E na próxima semana, dia 27 às 20:00 no GEFROMP estaremos recebendo artistas plástico de Iporã em Goiás. Eles farão uma exposição e vendas de quadros pictografados por eles em prol da Colônia Renascer.

LEMBRANÇAS DA DESCIDA DA PRAÇA DOM FERRÃO.

 
Para quem está saindo da catedral, esta é a visão que temos do lado direito, ou seja descendo a praça, tendo logo ao lado uma sorveteria e uma loja de calçados.
 Aqui  neste prédio o mais tradicional restaurante da cidade, de pai para filhos desde 19..
 Em frente ao restaurante uma extensão , na calçada da praça, onde muita gente bota a prosa em dia, tomando cerveja geladinha e comendo deliciosos tira gosto do Coquinho.
 Esta casa já não temos mais. Aqui o senhor João Maria Reis dedicou uma vida em sua farmácia ao lado de seus filhos e do saudoso professor Diaulas. Tempos antes, neste casa morou Euclides da Cunha,e nela nasceu seu filho Euclides.
 Na primeira casa nasceu MARIA de Lourdes Alves MARTINS em 1894. Passados 44 anos de sua morte, ainda é considerada a maior escultora surrealista do mundo.
 Nas casas desta esquina a cultura sempre foram constantes. Na primeira  onde só vemos parte do telhado residiu Euclides da Cunha, há quem diga que aqui ele começou a escrever Os Sertões, na casa ao lado morava Donana esposa do músico Joãozinho Brandão, para quem o poeta Manoel Bandeira quando aqui morou escreveu o poema "O Sorriso de Donana". Atravessando a rua temos a casa onde nasceu Maria Martins.
 Esta é a vista que temos hoje do local onde nasceu Maria Martins e a casa ao lado, onde hoje é uma loja, era a residência de Donana e Joãozinho Brandão.
 Neste local nasceu Maria Martins. Hoje, parte da UEMG alí funciona.
 Neste prédio temos uma farmácia e em cima a residência do empresário Luiz Gonzaga Maia. Neste local até os anos 60 funcionava uma agência da Caixa e depois, durante décadas a mercearia Sacolão.
 Da torre da Catedral temos esta vista. Esta foto foi tirada num dia de procissão, possivelmente pelo meu avô Paulino Araújo ou meu tio Paulo Ferreira Lopes.
 Descendo mais um pouco, encontramos a mais nova farmácia da cidade.
 Neste casarão que outrora pertencia aos familiares de Ildefonso Borges, hoje é a sede da Secretaria Municipal de Cultura, Esportes, Lazer e Turismo.
 Há mais de 50 anos tínhamos este coreto que seguia as linhas da Igreja das Dôres.
 Na esquina da Praça Dom Ferrão com a Rua Nassa Senhora de Sion está a casa da família Amarante. Que tem ao seu lado, o último Passo da Semana Santa.
Bem no centro da cidade havia o clube dos simpatizantes do partido político UDN, os seguidores do Dr. Oliveira. Era a Sociedade Recreativa Campanhense. Em baixo o bar e sinuca do senhor Antonio Russo. Depois, durante alguns anos foi a danceteria Chinelão do Toninho Pito no final dos anos 70. E ainda tinha o Salão do Chinho.
 No local da antiga Recreativa hoje temos a agência do BB e a sua direita um loja no local onde havia a casa da família Lobo Leite Pereira.
 Na casa em primeiro plano, na esquina da rua Américo Lobo, hoje temos outra agência bancária e a sua esquerda a casa onde nasceram os irmãos Américo, Fernando, Francisco e Joaquim Lobo Leite Pereira. Antes da história ser destruída a casa pertenceu a família do senhor Romeu Mendes.
 O casarão acima foi demolido para fazer a agência do Banco da Lavoura, que virou Real...
 
  e hoje Santander.
 Esta casa pertenceu à família do senhor Jair de Paiva Lemes, onde nasceram seus filhos Márcia e Franz. Antes, durante algum tempo funcionou o Cine Íris.
  
Hoje ela pertence à senhora Márcia Lemes Pereira, grande conhecedora da nossa história e está transformada em ponto comercial.
 Terminando de descer a praça, chegamos ao prédio que um dia foi o Palácio Episcopal, onde residiu o campanhense, primeiro bispo diocesano, Dom João de Almeida Ferrão.
O antigo Palácio episcopal depois passou a pertencer à família do senhor Francisco Laboutiere Gama e hoje a reside a família de Francisco Herculano Vilas Boas da Gama.

Fotos mais antigas: Acervo de Paulino Araújo 
Fotos mais recentes de José Milton
Texto: José Milton

280 ANOS DO DESCOBRIMENTO DA CAMPANHA.

Em uma parceria do Governo Municipal com as escolas do município acontecerá o Desfile Estudantil em comemoração aos 280 anos da Campanha.
A festividade terá início às 8:00 horas da manhã do dia 22 de Outubro (domingo).
Contamos com a sua presença! Compareça! Compartilhe!

quarta-feira, 18 de outubro de 2017

PLANO MUNICIPAL DE CULTURA EM CAMPANHA.

A foto acima é o local da casa onde nasceu MARIA MARTINS, artista plástica campanhense, até hoje considerada a maior escultora surrealista da mundo. É neste local que, estaremos realizando esta reunião com Aníbal Macedo, marcando assim a entrada da Campanha neste grupo tão importante para a cultura de Minas.






   





terça-feira, 17 de outubro de 2017

BIBLIOTECAS PÚBLICAS DE SP INVESTEM EM AÇÕES PARA AUMENTAR O PÚBLICO.

Bibliotecas públicas de SP investem em ações para aumentar o público

Renata Okumura - O Estado de S. Paulo - 22/09/201


SÃO PAULO – O hábito da leitura pode estar presente na vida das pessoas mesmo diante da correria do dia a dia das grandes metrópoles, que convivem cada dia mais com as ferramentas tecnológicas. “Tudo que é em excesso faz mal. A leitura é fundamental para o desenvolvimento cultural da criança. Para mim, é importante ter este momento com minha filha em uma biblioteca. Desta forma, ela não fica tão apegada ao celular. Quero que ela entenda o livro como uma companhia. E aqui a gente não gasta nada para ter esta experiência que é muito rica”, destacou a moradora Kátia de Santana que é mãe da Tainá Custódio Ufracker.

Kátia costuma ir com a filha à Biblioteca Raimundo de Menezes, que fica na Avenida Nordestina, 780, na Vila Americana, na zona leste da cidade. A área onde ficam os gibis é uma das que mais atrai a pequena de 4 anos. “Que letra é esta aqui? E esta outra?”, brinca com a filha. Tainá atenta responde corretamente conforme você pode ver no vídeo abaixo.

Na última semana, a reportagem visitou a biblioteca e constatou que no local há livros para todas as idades, inclusive uma prateleira reservada às crianças e também livros que farão parte do próximo vestibular da Universidade de São Paulo (USP). O wi-fi é livre para acesso ao público e também há informações sobre atrações para quem gosta de colecionar gibis ou trocar figurinhas de álbuns. Além disso, a biblioteca também recebe concertos do Theatro Municipal de SP. No entanto, o número de frequentadores poderia ser maior.

A capital paulista conta com a Biblioteca Mário de Andrade, a segunda maior do País, e 54 unidades do Sistema Municipal de Bibliotecas distribuídas pela cidade.

Para atrair a população, a Secretaria Municipal de Cultura (SMC) lançou o programa Biblioteca Viva, que promove ações de aproximação do público com as bibliotecas.

“Estas ações incluem a disponibilização de wi-fi em todas as unidades, alteração na disposição dos livros no interior das bibliotecas, facilitando, assim, a visualização e manuseio por parte do público e inclusão de programação artística de linguagens variadas em todos os fins de semana em todas as bibliotecas. Inclusive, apresentações dos corpos artísticos do Theatro Municipal. Vale ressaltar que são atividades que conversam com o ambiente da biblioteca. As famílias podem ter estes espaços como opção de lazer, por exemplo. Estamos vendo que o número de frequentadores vem aumentando com a solidificação destas ações”, reforçou a nota.

Além disso, atualmente a pasta compra lançamentos dos últimos doze meses diretamente das editoras, proporcionando opções de leitura que o público encontra nas livrarias de shoppings.

Motivação corporativa. Atentas à importância do hábito, empresas criam ambientes para motivar funcionários. O espaço para Leitura Colaborativa CNU, por exemplo, incentiva, inclusive, a troca de livros. “O estímulo é fundamental para despertar o interesse das pessoas pela leitura. Tem livros de inglês, aventura e romance. O curioso é que a troca de livros, às vezes, ocorre dentro do próprio elevador ou no departamento de trabalho. Alguém já te aborda querendo saber o que está lendo. Nem dá tempo de devolver ao espaço de leitura. Desta forma, outras pessoas também demonstram interesse em participar”, relata a administradora de empresas Cláudia Fernandes, que trabalha em uma empresa de planos de saúde na região de Cerqueira César, que implantou o projeto dentro da companhia.

Cláudia também reforça que a ação promove interação entre os funcionários e está presente em todas as filiais da empresa. “Tem dias que está lotado e você acaba conhecendo outras pessoas. Os funcionários ficam à vontade para pegar um livro, claro que é preciso bom senso, todos sabem que o que vale é a troca de livros, mas confesso que tem dias que dá vontade de levar todos os livros para casa porque sempre há novidades”, destacou ela.

Contação de Histórias. Para incentivar à leitura e tornar o ambiente hospitalar menos doloroso para as crianças, a Associação Viva e Deixe Viver reúne mais de mil voluntários atuantes e está presente em hospitais de São Paulo e de outros Estados e cidades do País.

Em homenagem aos 20 anos de atuação em 2017, a entidade organiza exposição que pode ser visitada até 28 de setembro no Conjunto Nacional, localizado na Avenida Paulista, 2.073, na Bela Vista.

PARENTES MORTOS.

PARENTES MORTOS

A imagem pode conter: céu e atividades ao ar livre
Não olvides que além da morte continua vivendo e lutando o espírito amado que partiu...

Tuas lágrimas são gotas de fel em sua taça de esperança.

Tuas aflições são espinhos a se lhe implantarem no coração.

*
Tua mágoa destrutiva é como neve de angústia a congelar-lhe os sonhos.

Tua tristeza é sombra a escurecer-lhe a nova senda.

*
Por mais que a separação te lacere a alma sensível , levanta-te e segue para a frente, honrando-lhe a confiança com a fiel execução das tarefas que o mundo te reservou.

*
Não vale a deserção do sofrimento, porque a fuga é sempre a dilatação do labirinto que nos arroja à invigilancia, compelindo-nos a despender longo tempo na recuperação do rumo certo.

*
Recorda que a lei de renovação atinge a todos e auxilia quem te antecedeu na grande viagem com o valor de tua renuncia e com a fortaleza de tua fé, sem esmorecer no trabalho – nosso invariável caminho para o triunfo.

*
Converte a dor em lição e a saudade em consolo porque, de outros domínios vibratórios, as afeições inesquecíveis te acompanham os passos, regozijando-se com as outras tuas vitórias solitárias, portas adentro de teu mundo interior.

*
Todas as provas objetivam o aperfeiçoamento do aprendize, por enquanto, não passamos de meros aprendizes na Terra, amealhando o conhecimento e a virtude, em gradativa e laboriosa ascensão para a Vida Eterna.

Deus, a Suprema Sabedoria e a Suprema Bondade, não criaria a inteligência e o amor, a beleza e a vida, para arremessá-la às trevas.

*
Repara em torno dos teus próprios passos. A cada noite no mundo, segue-se o esplendor do alvorecer.

O inverno áspero é sucedido pela primavera estuante de renascimento e floração.

*
A lagarta, que hoje se arrasta no solo, amanhã librará em pleno espaço com asas multicores de borboleta.

Nada perece.

Tudo se transforma na direção do Infinito Bem.

*
Compreendendo, desta forma, a Verdade, entesourando-lhe as bênçãos, aprendamos a encontrar na morte o grande portal da vida e estaremos incorporando, em nosso próprio espírito, a luz inextinguível da Gloriosa Imortalidade

Emmanuel/Chico Xavier
Livro: Paz e Libertação -