Páginas

terça-feira, 15 de outubro de 2013

MANIFESTO PELA EDUCAÇÃO.

Brasil, 01 de outubro de 2013.

Caro Cidadão,
A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDBEN nº 9394/96) diz que “a educação,
dever da família e do Estado, inspirada nos princípios de liberdade e nos ideais de solidariedade
humana, tem por finalidade o pleno desenvolvimento do educando, seu preparo para o exercício da
cidadania e sua qualificação para o trabalho”.
Dezessete anos decorridos desta legislação, temos trinta milhões de brasileiros analfabetos e
uma evasão escolar que já ultrapassa os três milhões de jovens por ano. 47% de nossos universitários abandonam os bancos escolares.
O desperdício de recursos atesta a ineficácia do sistema e perpetua a desigualdade e a
exclusão.
Interpelamos o poder público, as universidades, as escolas, professores, estudantes, pais e a
sociedade porque urge romper definitivamente com o fatalismo da reprodução do insucesso e realizar transformações fundamentadas e responsáveis em todo o sistema educacional.
Cremos que as comunidades escolares podem se transformar em espaços de humanização. O
Brasil dispõe de produção científica, de educadores e de práticas que provam a possibilidade de uma escola que a todos acolha e dê, a cada um, condições de realização pessoal e social.
Disponibilizamo-nos para contribuir na construção de um sistema educacional que,
efetivamente, cumpra a LDBEN e apresentamos o documento “Mudar a Escola, Melhorar a Educação:
Transformar um País”, por considerarmos que o mesmo poderá constituir-se num instrumento de debate e em efetiva mudança.
Em comunidade
Ninguém educa ninguém, ninguém educa a si mesmo,
os homens se educam entre si, mediatizados pelo mundo.
Paulo Freire
“Mudar a Escola, Melhorar a Educação: Transformar um País”
https://www.facebook.com/manifestopelaeducacao
contato: manifestopelaeducacao@gmail.com

2
PREFÁCIO
O documento “Mudar a Escola, Melhorar a Educação: Transformar um País” foi elaborado
de forma colaborativa, utilizando as metodologias Google docs, rede social, e-mail, fórum de debates pela internet e reuniões presenciais. Ao longo de dois anos, teve a efetiva colaboração dos membros do movimento Românticos Conspiradores 
(http://romanticos-conspiradores.ning.com/page/sobre-o-rc), de educadores atuantes nas diversas redes de ensino e de cidadãos que assumem a sua responsabilidade pela qualidade da educação.
Sabemos que no Brasil já existiram dois manifestos da educação: um, de 1932, sufocado pela
ditadura Vargas. Outro, de 1959, que esteve na origem das Escolas Experimentais e dos Ginásios
Vocacionais, sufocado pela ditadura militar.
Este documento vem anexo ao Terceiro Manifesto Pela Educação no intuito de servir como
instrumento para iniciar intenso debate nacional e efetiva mudança que, no lugar de ser sufocada por uma ditadura, floresça no fértil campo da democracia.
Neste documento, denunciamos e anunciamos. Denunciamos, lembrando algumas estatísticas e
realidades de nosso atual sistema educacional. Anunciamos, oferecendo possibilidades de mudança
fundamentada e responsável já praticada, desde há anos, com eficientes e comprovados resultados, em mais de 100 espaços educacionais brasileiros.
Meu papel foi o de fomentar o diálogo, reunir os contributos e sintetizar a fala e os escritos das
pessoas que se dispuseram a refletir, discutir e expor suas vivências, críticas, crenças, esperanças...
Deseja-se que este documento seja a base para a construção de um carinhoso e macio ninho que
abrigue, aqueça e fortaleça a enfraquecida educação brasileira, desenvolvendo uma cultura de Paz, que possibilite aos moradores do “ninho” alçarem livres voos, cada vez mais altos.
Os envolvidos neste Terceiro Manifesto Pela Educação almejam que nosso governo possibilite
que o documento “Mudar a Escola, Melhorar a Educação: Transformar um País” se desdobre em
diversos grupos de reflexão e pesquisa, para que, de maneira fundamentada e responsável, provoque uma mudança de paradigmas na educação nacional a partir da discussão em cada comunidade da federação.
Muitos atos de desdobramento já se iniciaram voluntariamente e, entre eles, está a confecção
colaborativa entre crianças e adolescentes de um documento que, afetuosamente, estamos chamando de “Manifestinho pela Educação”.
A você, que ama a educação e concorda que é possível fazer uma educação diferente da
que aí está, fazemos um convite: Arregace as mangas e venha desdobrar o Manifesto pela
Educação em ações concretas, que beneficiem nossos estudantes, suas famílias e a sociedade
brasileira.
Boa leitura!
Ely Paschoalick e mais uma multidão de educadores e cidadãos
que se dedicaram à elaboração deste documento.
“Mudar a Escola, Melhorar a Educação: Transformar um País”
https://www.facebook.com/manifestopelaeducacao
contato: manifestopelaeducacao@gmail.com

3
MUDAR A ESCOLA, MELHORAR A EDUCAÇÃO:
TRANSFORMAR UM PAÍS
Os resultados obtidos pela escola que temos não correspondem à proposta da LDBEN vigente,
porque o sistema escolar está pautado em um modelo ultrapassado. Mudanças foram feitas, certamente.
Porém, os educandos não têm tempo de aprender, quando estão apenas a serviço de obter boas notas.
Embora a informação esteja acessível aos jovens, como nunca antes esteve, através de livros, internet, jogos, pessoas, organizações e comunidades, as escolas mantêm-se presas nas formas arcaicas de transmissão de ensino. E seguem utilizando estratégias como aulas frontais coletivas, para alunos enfileirados, estáticos e impedidos de se expressar e de compartilhar suas ideias. A escola ainda não percebeu que a aprendizagem só é possível quando há relação entre as pessoas, e estas estejam intermediadas pelo mundo.
Urge que os educadores e atuais gestores políticos entendam que escola é também estudo e
esforço, mas que, para além disso, aprendizagem pressupõe criação de vínculos afetivos. Como cultivar amorosidade no atribulado cotidiano das salas de aula e nas agendas lotadas dos professores?
Nesta perspectiva, indicamos ao poder público melhorias para uma nova construção social de
escola, servindo como diretrizes para uma Educação do século XXI na direção de uma sociedade
solidária, justa e sustentável:
1- Políticas Públicas em Educação previamente discutidas, aprovadas e supervisionadas
pela comunidade, atendendo às necessidades específicas locais e de cada estudante em sua
singularidade, cumprindo assim a LDBEN 9394/96;
2- assegurar às escolas a dignidade de um estatuto de autonomia estipulado e
regulamentado no artigo 15 da LDBEN;
3- a revisão do tipo de gestão das escolas, passando de uma tradição hierárquica e burocrática
para decisões colegiadas, coletivas, colaborativas e horizontais, envolvendo a participação da
comunidade, dos familiares, dos educandos e dos educadores. É urgente e emergencial garantir gestão democrática, conforme o inciso VI do artigo 206 da Constituição Federal: “gestão democrática do ensino público, na forma da lei”. Somente assim teremos transparência, autonomia e solidariedade, valores que só se pode garantir com o quadro de uma gestão democrática;
4- implantação de comunidades de aprendizagem concebidas por um projeto educativo
coletivo, baseado num projeto local de desenvolvimento, consubstanciado numa lógica comunitária, que pressupõe uma profunda transformação cultural e concretiza uma efetiva diversificação das
aprendizagens, tendo por referência uma política de direitos humanos, que garanta as mesmas
oportunidades educacionais e de realização pessoal para todos. Assenta, outrossim, na solidariedade, operando transformações nas estruturas de comunicação, intensificando a colaboração entre instituições e agentes educativos locais;
“Mudar a Escola, Melhorar a Educação: Transformar um País”
https://www.facebook.com/manifestopelaeducacao
contato: manifestopelaeducacao@gmail.com


5- uma educação integral em tempo integral para todos os estudantes, da Educação Infantil
ao Ensino Fundamental, garantindo liberdade de organização do trabalho escolar, contemplando a
heterogeneidade, não tendo como referência a faixa etária ou intelectual, mas a socialização na
complementaridade, afetividade e autonomia. Que se extinga a seriação, a segmentação cartesiana do conhecimento, a disciplina isolada e exposta por um especialista em cinquenta minutos, substituindo-a pela prática de trabalhos em equipes, orientados por educadores, garantindo a construção da aprendizagem, respeitando o ritmo de cada um;
6- que a instituição escolar ressignifique seu papel, passando a atuar como locus de construção
de conhecimentos e vivências, voltado para a felicidade das suas comunidades, desfazendo-se de
imposições de currículos e métodos herdados do passado enciclopedista, seja fabril ou bancário.
Somente assim extinguir-se-á a diferenciação hoje existente entre os estudantes dos sistemas
público (municipal, estadual e federal) e privado;
7- durante o período de transição de uma escola do século XIX para uma do século XXI, se
garanta aos profissionais da Educação, que assim o desejem, prevenção, assistência e apoio
terapêutico, gratuito e constante, com objetivo de administração emocional e crescimento pessoal. Tais
serviços devem ser prestados por profissionais de psicologia capazes de identificar os impactos de tal transição nas vivências dos educadores atendidos;
8- a formação de uma rede colaborativa de comunicação, onde participem a família, os
educadores, educandos, membros de comunidades de aprendizagem, representantes da mídia falada, escrita, televisiva e digital, que tenham como objetivo alavancar, promover e divulgar fóruns de debate, núcleos de reflexão, rodas de conversa, círculos de estudo, auxiliando a sociedade a discutir suas vivências, relacionamentos, convivência, comportamento afetivo, ético, moral, emocional, educacional, intelectual, artístico e físico. E que não se permita nesta rede a competição e premiação, mas sim oportunidades para todos;
9- considerar que não pode ser descurado o desenvolvimento afetivo e emocional do
educando, nem ignorada a necessidade da educação de atitudes com referência a um quadro de
valores subjacentes ao projeto educativo, isto é: currículo subjetivo. Neste sentido, todo educando
tem necessidades educativas especiais, manifestas em forma de aprendizagens sociais e cognitivas
diversas. A escola é espaço-tempo de relações sociais, isto é: currículo de comunidade. E, se a
inclusão escolar é também social, não se processa em abstrato, passa por uma gestão diversificada
do currículo. Reconhecer o educando como único, recebendo-o na sua complexidade; descobrir e
valorizar sua cultura, ajudando-o a descobrir-se e a ser ele próprio em equilibrada interação com os
outros, são atitudes fundadoras do ato educativo e as únicas verdadeiramente indutoras da
necessidade e do desejo de aprendizagem;
10- universalização do ensino e garantia da matrícula em todos os níveis da Educação,
extinguindo o corte etário, o cadastramento escolar, as provas externas, os vestibulares, as provas do ENEM e outros recursos utilizados como critérios de reservas de vagas, que constituem instrumentos de exclusão;
11- que a Universidade se distancie de práticas de formação incompatíveis com
necessidades educacionais do nosso século. Que substitua o predomínio das aulas expositivas e de
outras práticas destituídas de fundamento teórico ou de mero bom senso (como, por exemplo, as
avaliações como fim e não como meio, a disposição enfileirada das cadeiras dos estudantes etc.), por uma diversificação de processos que promovam a experiência de que todos podem aprender e provem que a excelência acadêmica não é incompatível com a inclusão social;
“Mudar a Escola, Melhorar a Educação: Transformar um País”
https://www.facebook.com/manifestopelaeducacao
contato: manifestopelaeducacao@gmail.com

5
12- reelaboração da cultura pessoal e profissional do educador através da vivência de práticas
inovadoras em Educação que lhe possibilite uma transformação isomórfica, pois o modo como o
professor aprende é como ele ensina e a teoria não precede a prática;
13- reconhecimento público aos profissionais da educação, traduzido também em salários
dignos. Que seus salários estejam à altura de sua importância social, encontrando-se entre os mais
altos do serviço público;
14- fim do desperdício decorrente de más Políticas Públicas em Educação que, por exemplo,
segundo o Relatório FIESP, em 2010 desperdiçaram 56 bilhões de Reais. Que cesse o abuso do uso do dinheiro público em propagandas que mascaram a realidade educacional do país e servem também de promoção eleitoral;
15- erradicação da evasão escolar no Ensino Fundamental, Médio e Universitário, retirando
o Brasil da terceira maior taxa de abandono escolar entre os 100 países com maior Índice de
Desenvolvimento Humano (IDH) – veja-se o Relatório de Desenvolvimento 2012 do Programa das
Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD);
16- implantação efetiva de uma política da juventude que contemple o espírito empreendedor,
o protagonismo juvenil e o desenvolvimento dos valores humanos. Que se compreenda que a
sociedade organizada do século XXI requer do cidadão produtivo autonomia, capacidade de escolhas, pro atividade, trabalho em equipe, autodidatismo, clareza na comunicação, controle e organização do tempo. Por conseguinte, tais habilidades, atitudes e caráter devem ser desenvolvidos na prática educacional do jovem, também no Ensino Médio, em conjunto com os conhecimentos específicos dessa etapa educacional;
17- que a Educação Domiciliar e outros modos de desenvolver aprendizagem sejam permitidos
às famílias que assim o desejarem, desde que garantida a coerência e a qualidade dos percursos de
aprendizagem do educando à luz de um projeto educativo;
18- substituição da reprovação, da aprovação automática e da recuperação, paralela ou ao final
de um período, pela prática de uma avaliação formativa, contínua e sistemática capaz de permitir que o aprendizado caminhe junto com o desenvolvimento do pensar, a formação do caráter e o exercício da cidadania; e
19- ampliação do uso da Mediação Escolar, da Justiça Restaurativa e de técnicas similares, para
que os conflitos sejam resolvidos pela própria escola dentro da proposta da Cultura de Paz (UNESCO), proporcionando ambiente educativo motivador, que estimule cada estudante a superar-se a si mesmo, e não a superar os outros, promovendo a solidariedade e garantindo o direito de aprender a todos e a cada um.
O Brasil dispõe de produção científica e de práticas que provam a possibilidade de uma escola
que a todos acolha e dê, a cada um, condições de realização pessoal e social. Resgatemos teses e
práticas que viabilizem a construção de uma sociedade solidária, justa e sustentável (Agostinho da
Silva, Alceu Amoroso Lima, Almeida Júnior, Anísio Teixeira, Aparecida Joly Gouveia, Armanda Álvaro Alberto, Azeredo Coutinho, Bertha Lutz, Cecília Meireles, Celso Suckow da Fonseca, Darcy Ribeiro, Durmeval Trigueiro Mendes, Eurípedes Barsanulfo, Fernando de Azevedo, Florestan Fernandes, Frota Pessoa, Gilberto Freyre, Heitor Villa-Lobos, Helena Antipoff, Humberto Mauro, José Mário Pires Azanha, Julio de Mesquita Filho, Lauro de Oliveira Lima, Lourenço Filho, Manoel Bomfim, Manuel da Nóbrega, Maria Nilde, Nísia Floresta, Paschoal Lemme, Paulo Freire, Roquette-Pinto, Rui Barbosa, Sampaio Dória,
Valnir Chagas e tantos outros).
“Mudar a Escola, Melhorar a Educação: Transformar um País”
https://www.facebook.com/manifestopelaeducacao
contato: manifestopelaeducacao@gmail.com

6
Se o governo, através de suas políticas públicas, apoiar a execução das indicações, propostas e
considerações acima expostas, estaremos rompendo definitivamente com a interiorização da
incapacidade, com o fatalismo da reprodução do insucesso e da exclusão. Estaremos construindo um sistema educacional inclusivo, de qualidade informativa e formativa para cada cidadão brasileiro.
Estaremos, também, caminhando no cumprimento efetivo da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, LDBEN, nº 9394/96 e das diretrizes curriculares nacionais. Estaremos, por fim, criando condições efetivas para transformar um país.
De Brasileiros para Brasileiros que desejam:
“Mudar a Escola, Melhorar a Educação: Transformar um País”
https://www.facebook.com/manifestopelaeducacao
contato: manifestopelaeducacao@gmail.com

7
CARTA DE PRINCÍPIOS
1. Educar-se para a Integralidade
A educação deve contemplar a humanidade dos educadores e educandos em sua totalidade,
sendo coerente com a indivisibilidade das dimensões biológica, mental e espiritual de cada pessoa.
Assim como cada ser humano possui diferentes limites, possui também diversas potencialidades que
poderão, ou não, ser desenvolvidas e expressas a partir das formações e transformações que ocorrem durante toda a vida. Para isso a educação deve ser um processo intencional, contínuo e transformador, que leve a integralidade e que repercuta durante toda a vida.
Desdobramentos: educação integral (2), transdisciplinaridade, currículo aberto, aprender a
conhecer-fazer-conviver-ser, educação continuada.
2. Educar-se em Solidariedade
A educação é um processo relacional, possuindo um caráter social que deve ser assumido nas
práticas educativas. A solidariedade, mais do que um objetivo ético a ser atingido, é uma condição
primordial para a realização do trabalho educativo. Portanto, este só se desenvolverá plenamente se
considerar e incluir as diversas relações entre todos os atores envolvidos: educandos, educadores,
gestores, famílias e comunidades. No caso da escola, é indispensável que abra suas portas à
comunidade, a fim de constituir-se em polo integrador e irradiador do saber e do esforço social pela
educação, também cabe a escola incentivar a integração dos agentes e espaços comunitários a esse
mesmo esforço.
Desdobramentos: comunidade educadora, docência compartilhada, ensino-aprendizagem
colaborativo, pedagogia de projetos.
3. Educar-se na Diversidade
A educação deve contemplar a originalidade e a criatividade das pessoas, valorizando a
diversidade humana em todos os seus aspectos: físicos, psicológicos, culturais, etc. As práticas
educativas devem ser coerentes com o fato de que as pessoas aprendem melhor segundo seus
interesses e motivações, em diferentes ritmos e de diferentes formas. A noção de educação na
diversidade, associada aos conceitos de integralidade e solidariedade, permite o reconhecimento tanto de nossas singularidades quanto das nossas igualdades, resultantes de nossas condições humanas e socioculturais. As diferenças, nesse contexto, devem ser consideradas como algo inerente ao ser humano, rompendo-se a lógica binária que nos fragmenta em “iguais” de um lado e “diferentes” de outro.
Desdobramentos: educação inclusiva (3), pedagogia da escuta, ensino não seriado, grupos
multietários, educação para a paz, pedagogia da autonomia, educação multicultural.
“Mudar a Escola, Melhorar a Educação: Transformar um País”
https://www.facebook.com/manifestopelaeducacao
contato: manifestopelaeducacao@gmail.com

8
4. Educar-se na Realidade
A educação deve servir para a melhora objetiva da realidade na qual ela ocorre, contribuindo
para o chamado desenvolvimento local. Para tanto, ela deve ser contextualizada, integrada à vida dos educandos e de suas comunidades, aberta para a troca de experiências e conhecimentos. A educação só possibilitará à pessoa atuar efetivamente na transformação da sua realidade se proporcionar condições de autotransformação. Em outras palavras, é somente através da promoção de aprendizagens significativas que a educação contribuirá para a transformação humana e social.
Desdobramentos: contextualização, extensão comunitária, ensino ativo, aprendizagem
significativa.
5. Educar-se na Democracia
A educação que prepara para a democracia deve se dar através de práticas não-autoritárias, que
permitam a ampla participação de educandos, dos educadores, das famílias e da comunidade. Só é
possível uma educação para a ação cidadã se a educação for pela e na ação cidadã. As práticas
educativas promotoras da liberdade, autonomia, respeito, responsabilidade, equidade e solidariedade
devem estar associadas aos princípios anteriores para permitir que atinjamos o objetivo maior da autoresponsabilizaçãosocial 
Desdobramentos: educação democrática, não-coercitiva, educomunicação, protagonismo juvenil.
6. Educar-se com Dignidade
A dignidade específica do ofício do educador é derivada da dignidade reconhecida na pessoa do
educando. O educador deve ser cônscio do seu importante papel como agente social, assumindo sua missão como tutor dos educandos e facilitador de suas aprendizagens, entendendo que a educação deve ser solidária e coletiva e a aprendizagem um processo de dupla-via – entre o educador-aprendente e educando-ensinante. O tão almejado resgate da autoridade e a revalorização social e profissional do educador passam, necessariamente, pela reformulação das formações iniciais, pela reflexão e atualização permanente das práticas educativas e, principalmente, pela constante busca da coerência entre o fazer pedagógico e as necessidades educacionais dos educandos, suas comunidades e das sociedades em geral.
* Esta Carta de Princípios é produto do trabalho coletivo dos membros do núcleo RC-SP,
realizado através de fórum virtual de discussões e reuniões presenciais durante os meses de agosto,
setembro e outubro de 2008 e aprovada em assembleia no dia 18/10/2008. A versão desta carta com as assinaturas de adesão pode ser consultada em: http://rcsp.wikidot.com/carta-de-principios
(1) A educação pública é por nós entendida como aquela voltada para a população em geral e
que a todos dê garantias de acesso, sucesso e realização pessoal e social, seja ela de caráter estatal ou privado.
(2) A educação integral é vista aqui como aquela que considera as diversas dimensões da
experiência humana: sensorial, cognitiva, emocional, moral, ética, política, cultural, estética, artística, etc.
(3) O termo educação inclusiva é aqui utilizado com ressalvas, uma vez que seu uso só faz
sentido em um contexto excludente.
(4) A auto-responsabilização social refere-se à conscientização de que os contextos sociais são
responsabilidade de todos e de cada um, visando que as pessoas e comunidades tenham condição de se apropriar das suas realidades e transformá-las


Nenhum comentário:

Postar um comentário