Páginas

sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

20 DE JANEIRO DE 2017.


Há 101 anos nascia EUCLIDES DA CUNHA. Termina hoje o seu sesquicentenário. Homenagens lhe foram prestadas por todas as cidades onde ele morou, menos em Campanha. Em 2017 teremos pelo menos 3 datas importantes que merecem ser lembradas. Vamos ver se a nova administração terá essa preocupação com a cultura local.

Euclides foi militar, escritor, ensaísta e jornalista fluminense (1866-1909). Autor de Os Sertões, clássico da literatura nacional.


EUCLIDES Rodrigues Pimenta DA CUNHA (20/1/1866-15/8/1909) nasce em Cantagalo. Órfão de mãe aos 3 anos, é criado por parentes. Mora em várias cidades até se fixar no Rio de Janeiro. Ainda jovem adota idéias abolicionistas e republicanas. Começa a estudar engenharia em 1885, mas abandona o curso por falta de dinheiro. No ano seguinte ingressa na Escola Militar, de ensino gratuito. Em protesto contra a repressão às manifestações republicanas, em 1888 joga o espadim de cadete aos pés do ministro da Guerra e é expulso da escola. Readmitido no ano seguinte, após a proclamação da República, chega a tenente, mas deixa o Exército em 1896 por motivos políticos. Muda-se para São Paulo, onde recomeça o curso de engenharia e passa a escrever para o jornal A Província de S. Paulo (atual O Estado de S. Paulo). Acompanha, no sertão baiano, o movimento chefiado pelo beato Antônio Conselheiro no Arraial do Belo Monte, em Canudos, e o material recolhido é publicado no jornal e transformado no livro Os Sertões (1902), um clássico da literatura latino-americana. Com a obra, o escritor ganha reconhecimento nacional, sendo eleito para a Academia Brasileira de Letras em 1903. Sua morte, no Rio de Janeiro, ganha destaque e comove o público: é assassinado pelo amante de sua esposa, a quem tentara matar. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário