Páginas

domingo, 30 de outubro de 2016

USANDO A CRIATIVIDADE PARA ATRAIR.

Por que uma biblioteca na Califórnia está emprestando outras coisas além de livros

Ana Freitas - Nexo - 17/10/2016

A biblioteca pública da cidade de Sacramento, na Califórnia, é composta por um sistema de 28 unidades distribuídas pela cidade. Normalmente, além do catálogo de livros, CDs revistas e jornais, as bibliotecas oferecem computadores públicos, Wi-Fi gratuito, e-books e audiobooks para empréstimo, além de serviços gratuitos de impressão. Até aqui, nada de novo.

Uma das unidades, no entanto, inaugurou em 2015 um serviço pouco ortodoxo para uma biblioteca. Agora, eles também fazem empréstimo de coisas – algumas só podem ser usadas dentro da biblioteca, enquanto outras podem ser levadas para casa. São jogos de tabuleiro, equipamentos tecnológicos, videogames, ferramentas e máquinas de costura.

Como funciona a ‘coisoteca’

Nos EUA, existem espaços para empréstimo de ferramentas desde os anos 1970. Hoje, há 40 desses lugares espalhados pelo país. Há também centros de empréstimo de sementes espalhados pelo país. Mas é a primeira vez que uma biblioteca tradicional, de livros, agrega empréstimo de outros objetos.

Os equipamentos disponíveis na biblioteca são gratuitos para empréstimo e foram financiados por meio de verba de um órgão federal, o Instituto Norte-americano de Museus e Serviços de Biblioteca, ou doados pela comunidade. Estes são alguns itens da “coisoteca” de Sacramento:

Para levar para casa: aparelhos de videogame, máquinas de costura, instrumentos musicais, jogos de tabuleiro, máquinas para confecção de bottons, impressora de tecidos, laminadora, projetores, câmera filmadora para esportes, mesa digitalizadora.

Para usar na biblioteca:ferramentas e oficina de bicicletas, scanner 3D, laboratório de impressão 3D, máquina de costura profissional.

Para pegar os itens da “coisoteca” emprestados é preciso ser residente nos EUA, ser maior de 18 anos – exceto no caso dos videogames – e se cadastrar gratuitamente como membro do sistema público de bibliotecas da Califórnia. Como no caso de empréstimos tradicionais de livros, atrasos na devolução geram cobrança de multa.

Um dos objetivos do serviço de empréstimo de itens é atrair as pessoas de volta ao espaço da biblioteca. A revolução digital, que democratizou o conhecimento e mudou a lógica de acesso a bens culturais, gerou um questionamento sobre a função desses espaços no mundo moderno.

“É quando você cria um projeto que chama a atenção das pessoas que você as lembra de outras coisas que uma biblioteca tem a oferecer.”

Lori Easterwood

Responsável pela biblioteca de “coisas” de Sacramento

Entre educadores, bibliotecas não são vistas apenas por sua função pragmática, a de empréstimo de livros. Elas também atuam como centros culturais e sociais, além da função educacional. A inclusão de empréstimo de outros itens que não sejam livros faz parte da dimensão mais ampla da função de uma biblioteca: reunir a comunidade para promover conhecimento e debates sobre questões pessoais e locais relevantes.

Como é no Brasil

Não há “coisotecas” públicas no país. Serviços de empréstimo de coisas, geralmente, funcionam por meio de iniciativa privada – há uma série de aplicativos para celular com essa função, na qual usuários oferecem e pedem equipamentos emprestados a outras participantes da rede.

Em São Paulo, no entanto, uma alternativa para centros culturais que permitem uso gratuito de ferramentas e oferecem oficinas na área de criação são os FabLabs. Em dezembro de 2015, a prefeitura da cidade inaugurou o primeiro desses centros. Hoje, há doze deles espalhados pela cidade.

Os FabLabs disponibilizam, além de cursos, máquinas e ferramentas para criação, todos associados à chamada “cultura maker”. São impressoras 3D, cortadoras laser, computadores com software de modelagem e fresadoras, por exemplo. Os centros também mantêm instrutores que ensinam como usar os equipamentos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário